Seac-MG transmite a primeira palestra por videoconferência

Conectados de empresas localizadas em Belo Horizonte e de outras regiões de Minas Gerais, empresários associados ao Seac-MG assistiram, pela primeira vez, por videoconferência a palestra “Como o Perito Assistente pode ajudar a reduzir o passivo trabalhista”, transmitida no dia 18 de agosto,  diretamente da sede do Sindicato, na capital mineira. O sistema foi inaugurado há dois meses, com a transmissão da Reunião do Conselho de Administração.
 
A palestra foi ministrada pelo Perito Oficial/Judicial, Éder Mascarenhas, diretor presidente do Instituto Mineiro de Perícias (IMP), e contou com a presença de conselheiros e do presidente do Seac-MG, Renato Fortuna Campos, empresários, assessores jurídicos, técnicos de Segurança do Trabalho do segmento de Asseio e Conservação e de outros setores. Durante o evento, o Instituto apresentou também a parceria que firmou com o Seac-MG, que oferece condições especiais para as empresas associadas.
 
Tema bastante polêmico, o passivo trabalhista é um problema que onera bastante as empresas, e se materializa a partir, principalmente, de ações trabalhistas nas quais a empresa não fez a uma defesa satisfatória. Para o Perito Éder Mascarenhas, acidentes de trabalho e reclamatórias trabalhistas configuram-se como situação de crise nas empresas e agir preventivamente, é a melhor forma de evitar o passivo trabalhista. “O trabalho do Perito Assistente não é fundamental somente no desdobramento da crise, interpelando as conclusões e laudos dos peritos judiciais, mas também de orientar antes da realização delas”, explicou.
 
O trabalho preventivo começa com o mapeamento de toda a empresa, verificando as condições e formas de organização do trabalho, adequando-as e orientando os profissionais para que não incorram em erros ou viole a legislação trabalhista e principalmente, para que busquem a preservação de provas e do local do fato.  
 
Outra forma de atuação é nos autos da reclamatória trabalhista, quando o perito assistente age aferindo as condições em que se deu o fato, para desconstruir os argumentos da ação trabalhista, contrapondo o laudo do perito judicial e ao mesmo tempo, subsidiando o advogado da empresa reclamada. “O papel do perito assistente é garantir a imparcialidade do perito judicial durante as perícias”, destacou. Segundo Éder Mascarenhas, a relação entre perito judicial e perito assistencial é “muito amistosa e existe um respeito muito grande por parte do perito judicial. A partir do momento que existe o acompanhamento, ele fica mais atento e mais zeloso em fazer um bom trabalho”.
 
Éder Mascarenhas garante que, em qualquer reclamatória trabalhista, seja de insalubridade, periculosidade, doença adquirida, e principalmente, acidentes de trabalho, a presença do perito assistente é fundamental para a empresa, e não somente de um técnico de Segurança do trabalho. “Uma empresa assistida por um perito assistente consegue, em um período de um ano, reduzir o passivo trabalhista de 40% a 60%, pois age de forma preventiva”, garante Éder Mascarenhas.  
Quanto à parceria com o Seac-MG, Éder Mascarenhas explicou que o IMP irá oferecer gratuitamente, às empresas associadas, consulta nas áreas em que o instituto atua como meio ambiente; segurança, engenharia e Medicina do Trabalho; trânsito, contábil, dentre outras.  Os honorários serão cobrados a partir do trabalho efetivo demandado por cada caso, mas em condições diferenciadas para as associadas.
 

Participação do conselheiro Walter Soares, da associada Comserbras Multiserviços, de Patos de Minas (MG)

Visit Us On InstagramVisit Us On FacebookVisit Us On Linkedin